Avaliação de espaços flexíveis foi a tradução adotada para o termo em inglês “Valuation of flexible workspace” (esteve para ser traduzido para  “avaliação de espaços partilhados”, mas pareceu-me um pouco redutora). É usual no imobiliário serem utilizados anglicismos, como por exemplo “coworking”, mas devemos fazer sempre os possíveis por utilizar a Língua de Camões!.

É precisamente a avaliação de espaços flexíveis, onde se inclui o “coworking”, que vai ser o tema de hoje. Não vai ser feita uma descrição exaustiva de como se avaliam estes espaços nem o que aqui vai ser escrito será de autoria do moderador do blogue. Vamos, simplesmente, dar a conhecer o documento “Valuation of flexible workspace”,  ISBN 978 1 78321 377 1, do RICS.

Este documento é uma ferramenta muito interessante, disponível para qualquer perito avaliador de imóveis de forma gratuita.

-Tipos de espaços flexíveis. O “coworking” é um de eles;

-Modelos de gestão de estes espaços, por exemplo, o proprietário do espaço ser diferente de que o opera;

-Definição dos tipos de operação, quanto ao “coworking”;

-Cuidados a ter na estimativa das yields;

Do documento, destacaria os seguintes pontos:

Finalmente, porventura o ponto principal de interesse: as abordagens de avaliação.

Aqui é referida a importância de definir bem a finalidade da avaliação, e consequentemente, a base de valor (transversal a qualquer avaliação). Depois, são definidas as abordagens de avaliação e as vantagens e desvantagens de cada uma destas abordagens, de acordo com o tipo de gestão que é feita nestes espaços.

Propositadamente, o documento não é mais detalhado e não são feitas, inclusivamente, transcrições. É para aguçar a curiosidade dos leitores e os convidar a visitar o site do RICS e a descarregar o documento.

Este artigo foi elaborado por João Fonseca, perito avaliador de imóveis e perito avaliador de máquinas e equipamentos, registado na CMVM (Comissão do Mercado de Valores Mobiliários) com o registo PAI/2010/0019, membro 7313161 do RICS (Royal Institution of Chartered Seurveyors), RICS Registered Valuer, membro da TEGoVA e European Registered Valuer REV-PT/ASAVAL/2023/8, Vogal do Conselho Fiscal, Disciplinar e Deontológico da ANAI  (Associação Nacional de Avaliadores Imobiliários), Perito da Bolsa de Avaliadores da Câmara Municipal de Lisboa, Associate Thinker no blogue out-of-the-boxthinking.blogspot.pt. É coautor do livro “Reabilitação urbana sustentável”, ISBN 978-989-8414-10-6. Possui uma Pós-Graduação em “Gestão e Avaliação no Imobiliário” pela Católica Porto Business School e tem o curso de formação em “Avaliação Imobiliária” pela Escola Superior de Atividades Imobiliárias. Tem escritórios na Rua Pinto Bessa, 522, RC, Centro, Esquerdo, 4300-428 Porto e na Rua Visconde de Santarém, 75 C, 1000-286 Lisboa. É formador em avaliação imobiliária na empresa Domínio Binário. A Lei n.º 153/2015 de 14 de setembro regula o acesso e o exercício da atividade e a profissão dos peritos avaliadores de imóveis que prestem serviços a entidades do sistema financeiro nacional.